24 de mai de 2013

Resenha: 3.096 dias



Lembro sempre desse livro e da história de Natascha Kampusch quando penso que minha vida não está do jeito que eu imaginava. Sabe aquela leitura que vale cada linha? Cada parágrafo, capítulo e detalhe contado pela autora valem a pena. O fato de a história ser relatada pela pessoa que a viveu, engrandece absurdamente o livro e nos deixa quase que sentindo o mesmo que Natascha sentiu. 


 (sinopse) “Ao escrever este livro posso finalmente dizer: Sou livre. Natascha Kampusch sofreu o destino mais terrível que poderia ocorrer a uma criança: em 2 de março de 1998, aos 10 anos, foi sequestrada a caminho da escola. O sequestrador – o engenheiro de telecomunicações Wolfgang Priklopil, a manteve prisioneira em um cativeiro no porão durante 3.096 dias. Nesse período, ela foi submetida a todo tipo de abuso físico e psicológico e precisou encontrar forças dentro de si para não se entregar ao desespero.”




Vocês já devem saber que histórias que mexem com o psicológico de cada leitor, me agradam. Com 3096 dias não foi diferente. Um misto de angústia e um tanto de desespero me acompanharam desde o início, até o agoniante fim. Devorei o livro em apenas 2 dias. Além de não ser um livro muito grande, ele nos proporciona uma leitura rápida devido à intensidade relatada. A autobiografia de Natascha é claramente dolorosa e explícita; ela não poupou detalhes sobre os 8 longos anos que viveu em um cubículo sob os “cuidados” de seu sequestrador, um homem de 35 anos chamado Wolfgang Priklopil.
Durante a leitura, um pensamento constante me acompanhava:

“será que eu conseguiria ter esse instinto de sobrevivência? Será que eu não iria preferir desistir e simplesmente aceitar que o meu destino era viver à custa de um monstro personificado?”   


O fato de Natascha ter construído e mantido um relacionamento com seu sequestrador durante os 8 anos não me surpreendeu negativamente, de jeito nenhum. Para muitos isso soou repugnante, mas eu apenas compreendi. Sua sobrevivência e liberdade estavam diretamente ligadas a isso. Ela aprendeu a manipulá-lo e enganá-lo sem que ele percebesse, e esse foi um fator crucial para seu plano de fuga.


O livro é ótimo. Recomendo a leitura aos adolescentes que gostam de histórias baseadas em fatos reais, assim como eu. Alguém aí já leu? E o que achou?
Não deixe de seguir o novo twitter do blog e ficar por dentro das novidades que estão por vir!

3 comentários:

  1. Olá !
    Deve ser uma história bem intensa de se ler, dessas q quando fechamos o livro, nós sentimos até pesada. uma sensação estranha, não?
    Eu gosto de ler de tudo um pouco, e sempre intercalando, adorei a resenha e curto demais o blog.. então sucesso nessa nova fase aí, e conte comigo!!
    Bjinssss e "Saudações Vascaínas", e que comece o Brasileiro. rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É exatamente isso!
      Também leio de tudo um pouco :P

      E começamos o Brasileiro muito bem. Espero que continue assim! Hahaha

      Excluir
  2. Heyy, eu já o li, mais eu baixei pela internet então a tradução nem tava tão boa..
    Mais apesar de tudo eu ameeeeeeeeei o livro, tbm recomendo!!
    Ele abre muito a sua mente..Eu lembro q quando eu era pirralha eu vi a reportagem no fantástico quando ela tinha acabado de fugir e tals e quando eu li eu lembrei e adorei!
    Principalmente pq ela ainda da depoimentos de como ela ta hoje, acho Natascha incrível!
    Enfim, eh mt bom de ler esse livro! recomendadíssimo !
    Beijo Bel, assisto teu canal do youtube e acho massa! xero :*

    ResponderExcluir

 
Minima Color Base por Layous Ceu Azul & Blogger Team
alt="Posts Relacionados"/>