15 de mai de 2013

Resenha: Precisamos Falar sobre Kevin


Comecei a ler Precisamos Falar sobre Kevin no verão, mas acabei enjoando daquele começo um tanto quanto chato, parei de ler e dei valor aos outros livros que eu queria ler no verão. Em março, lembrei dele e retomei a leitura. Parecia até magia: devorei o livro em menos de 3 dias. O livro já tem sua versão cinematográfica (que também é boa), mas não me surpreendi em saber que o livro é melhor.



Existe uma lei natural que diz que uma mãe, por ser mãe, amará e protegerá seu filho independentemente da situação. Tanto na natureza selvagem, quanto entre nós, humanos. E em “Precisamos Falar sobre o Kevin”, nos deparamos com Eva, uma mãe que surpreendentemente não ama seu filho. Claro, claro que existem inúmeros poréns – Kevin é uma peste e também não a ama, Kevin é mal educado, Kevin é o demônio – mas por mais que ela tente, ela simplesmente não consegue estabelecer uma ligação afetiva com seu filho, o que resulta no afastamento de Eva do seu amado marido, Franklin.
O livro é um pouco cansativo no começo, as primeiras 100 páginas passam devagar e a empolgação para ler o livro quase acaba. O livro é escrito através de cartas de Eva para Franklin, contando por tudo o que ela havia passado e se perguntando se algo poderia ser evitado, caso Franklin tratasse Kevin de outra forma. Em diversos momentos do livro eu me perguntei o que poderia ser implicância e cisma de Eva com Kevin e o que realmente poderia ser culpa do Kevin. É um livro para se pensar, acima de tudo. Mas precisa-se de coragem e um bom embasamento e estabilidade emocional para a leitura, tendo em vista que o livro traz à tona diversos questionamentos familiares e até mesmo psicológicos.
O livro retrata a maldade propriamente dita. Fria, cruel e calculista. Uma maldade que muitos não acreditam existir simplesmente por medo de acreditar.

“Ainda que eu não estivesse reclamando, o silêncio de Kevin possuía uma qualidade opressora. Primeiro porque era um silêncio de verdade — total, de bico calado, despido dos gorgolejos e gritinhos que a maioria das crianças emite enquanto explora o metro quadrado infinitamente fascinante de seu cercadinho de náilon. Depois porque era inerte. Embora já soubesse andar — algo que, como todas as outras habilidades vindouras, ele aprendeu sozinho — não parecia haver nenhum lugar em especial aonde ele quisesse ir. De modo que sentava no cercado ou no chão durante horas, os olhos apagados se movendo com um descontentamento desfocado.”

Por mais que Kevin seja odiado pela maioria dos leitores, eu não o enxergo como um monstro de má índole e mau caráter. Eu o vejo como um compreendedor do mundo desde pequeno, e talvez por isso, tenha agido da forma que agiu – tanto com a mãe e a irmã, como com os colegas e “amigos”. Kevin, na minha opinião, é uma pessoa amargurada e cansada da sociedade e dos julgamentos que ele via ao seu redor desde cedo. Sua atitude principal relatada no livro, nada mais é do que uma forma que ele procurou para chamar a atenção de Eva mais uma vez. Clamando alguma mudança, algo inexistente no mundo em que vive. Assim que eu o vejo: uma pessoa que, apesar de tudo, ainda queria ser salva.
No mais, eu recomendo a leitura. É um bom livro, mas nas condições que eu citei anteriormente: “É um livro para se pensar, acima de tudo. Mas precisa-se de coragem e um bom embasamento e estabilidade emocional para a leitura, tendo em vista que o livro traz à tona diversos questionamentos familiares e até mesmo psicológicos.”

11 comentários:

  1. http://th01.deviantart.net/fs71/PRE/f/2011/112/e/9/challenge_accepted_in_hd_by_crusierpl-d3enbux.png

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ai, que cu. não apareceu o link. anyway, aceitei o desafio de ler esse livro. adorei a resenha, belzi.

      Excluir
    2. Lê e depois me diz se gostou!


      <3

      Excluir
  2. Livro >>> Filme. Acho o livro tão mais introspectivo e mais bem bolado, além de ser contado pela carta que deixa bem mais interessante :P

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O filme é bem superficial, talvez pra não "assustar" tanto quanto o livro. Mas é uma boa adaptação.

      E claro, livro > filme desde sempre! Hahahaha

      Excluir
  3. EU morro de vontade de ler esse livro, desde que vi um video resenha sobre ele, eu gosto desse tipo de livro, então tenho total certeza que iria gostar, só não comprei ele ainda, por que não quero o livro com a capa do filme, eu preciso do livro original, mais não acho para vender o/ qual vc tem?
    acervo-de-livros.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu tenho com a capa do filme :(
      Talvez na estante virtual tenha o da capa original.

      Beijo!

      Excluir
    2. Valew vou procurar, sabe to curiosa com uma coisa, vc usa a foto dela, mais as vezes é fake, queria saber esse blog é mesmo da Bel, aquela loira engraçada que faz videos com o luba????
      cara se for, queria dizer que te adooroo demaiss quando vc participa... <3

      Excluir
    3. Sou eu sim, não é fake :P

      Muito obrigada <3

      Excluir
  4. Eu tô querendo ler esse livro faz teeempo e enrolo tanto :/ Preciso me organizar nas leituras, rs.

    ResponderExcluir
  5. O filme, assim como o livro, da um sono danado no começo.

    ResponderExcluir

 
Minima Color Base por Layous Ceu Azul & Blogger Team
alt="Posts Relacionados"/>