20 de ago de 2014

Os Três, de Sarah Lotz


Edição: 1 | Editora: Arqueiro | ISBN: 9788580412697 | Ano: 2014 | Páginas: 391 | ★★★★


Quinta-Feira Negra. O dia que nunca será esquecido. O dia em que quatro aviões caem, quase no mesmo instante, em quatro pontos diferentes do mundo. Há apenas quatro sobreviventes. Três são crianças. Elas emergem dos destroços aparentemente ilesas, mas sofreram uma transformação. A quarta pessoa é Pamela May Donald, que só vive tempo suficiente para deixar um alerta em seu celular: Eles estão aqui. O menino. O menino, vigiem o menino, vigiem as pessoas mortas, ah, meu Deus, elas são tantas... Estão vindo me pegar agora. Vamos todos embora logo. Todos nós. Pastor Len, avise a eles que o menino, não é para ele... Essa mensagem irá mudar completamente o mundo.

Antes de mais nada, eu preciso dizer que o livro não tem uma narrativa tradicional. A sua história é contada através do relato de personagens que tiveram algum tipo de contato com os eventos que o livro retrata. A leitura me lembrou muito Guerra Mundial Z, de Max Brooks, com uma diferença principal (e crucial): embora os personagens falem sobre eventos que já ocorreram, não sabemos o que aconteceu após a queda dos quatro aviões (e isso NÃO É SPOILER - consta até mesmo na contracapa). 




















O livro é contado por um livro dentro do livro (espero que tenha sido compreensível). Ele relata algumas teorias da conspiração e vai se encarregando de deixar o leitor ciente do cotidiano dos sobreviventes. Como os três sobreviventes acabam ganhando atenção da mídia, a história faz questão de abordar também os interesseiros e "aproveitadores" dos quinze minutos de fama dos sobreviventes, pondo em questão a amizade e até que ponto uma pessoa chega para ter sua imagem elevada ao mais alto nível - ainda que a queda pudesse ser muito pior.






Em Guerra Mundial Z, nós leitores sabíamos que havia acontecido uma grande "batalha pela humanidade" e  assim as pessoas contavam, por menores, das batalhas+prólogos sobre a situação pós-guerra. Já no desenvolvimento de "Os Três", a história é contada através de relatos e entrevistas com os personagens. Parece pouca diferença, mas na prática o estilo narrativo muda ainda mais. Logo, se você não gosta de livros com algum tipo de narrativa "não convencional", passe longe. A autora soube usar com maestria as referências de livros anteriores e durante to-da a leitura, nós temos que nos perguntar se tal acontecimento pode ser relacionado à religião, psicanálise, política, entre outros... Principalmente o comportamento das três crianças sobreviventes.


Ressaltei a narrativa atípica pelo simples motivo de o leitor se encarregar de deduzir muitas coisas. Nada vem muito "mastigado". Afinal, são relatos de pessoas que teoricamente também não sabem o que está acontecendo. Outro mérito da autora foi a forma com que ela soube conduzir o leitor ao final do livro, com pitadas de suspense e deixando-o acreditar que ele sabia de alguma coisa (saudades, inocência), hehe. Embora o livro seja bem envolvente, cai em alguns clichês do gênero. Vários eventos - inclusive o final -, podem ser interpretados de formas diferentes. Sabe aquele filme de terror clássico que "não tem fim"? O final do livro não fica muito longe disso não. 
No mais, recomendo a leitura. Dá um friozinho na barriga em diversos momentos, a diagramação e o design do livro estão fantásticos e dizem muito sobre o mesmo. Adiciona aí na lista de leitura!

2 comentários:

  1. Olá! Não gostei muito da sinopse desse livro quando a li pela primeira vez, mas a sua resenha me fez repensar um pouco, acho que vou dar uma chance para autora!

    http://www.whoisllara.com/

    ResponderExcluir
  2. Achei ótima a resenha, porém não sei se leria não, sou do tipo cagona sabe? Morro de medo de ver filmes de suspense/terror e ainda mais livros! O máximo de livros com coisas "sobre naturais" que já li foi a série a mediadora e instrumentos mortais, o que é fail, porque na verdade não tem nada de mais iuewhiufhweiuew

    Adorei o blog, achei uma lindezaaa! Não posso deixar de relatar que te descobri por uma amiga e que: tu ta tão pertinho de mim! Genteee hahahaha Sou de Laguna ihuu, e ano que vem to indo ai pra tubarão, tu vai sair da facul e eu vou entrar hahahah, caaca me prolonguei demais, mas é isso, beijos Bel!

    www.girlsmachine.com

    ResponderExcluir

 
Minima Color Base por Layous Ceu Azul & Blogger Team
alt="Posts Relacionados"/>